Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

Natural de Vilar Formoso recebe prémio do Vaticano

Professor Luís Alberto Casimiro

 

A Tese de Doutoramento de Luís Alberto Casimiro, docente de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), recebeu prémio atribuído pelo Vaticano.

O trabalho de investigação subordinado ao tema "A anunciação do Senhor na pintura Quinhentista Portuguesa" (1500-1550). Análise geométrica, iconográfica e significado iconológico" foi galardoado com o prémio anual das "Pontificie Accademie in Mariologia 2010".

A Tese teve como orientador Científico o Prof. Doutor Fausto Sanches Martins, CSsR, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Submetida à apreciação e discussão do Júri, presidido pela Prof.ª Doutora Maria de Lurdes Correia Fernandes, Vice-Reitora da Universidade do Porto e constituído pelos Prof. Doutores Vítor Serrão da Universidade de Lisboa, Nelson Correia Borges da Universidade de Coimbra, Natália Marinho Ferreira-Alves, Joaquim Jaime Ferreira-Alves, Agostinho Marques Araújo, Fausto Sanches Martins e Lúcia Cardoso Rosas da Universidade do Porto, foi aprovada, por unanimidade, em provas públicas, que decorreram no edifício da Faculdade de Letras do Porto, no dia 30 de Março de 2005.

Dividido em dois volumes, num total de 2144 páginas, trata, de forma inédita, o tema da Anunciação na pintura portuguesa, na primeira metade do século XVI. O autor procura comprovar a existência de um esquema geométrico de composição que esteve na génese estrutural das pinturas, o qual terá sido utilizado, também, com a finalidade de reforçar a mensagem subjacente ao tema. Para tal, propõe a aplicação do que designou por "Método Geométrico", como complemento do "Método Iconográfico e Iconológico", desenvolvido por Erwin Panofsky.

Luís Alberto Casimiro, começa por esclarecer as questões teológicas mais importantes que se prendem com o tema da Anunciação. Para isso, analisa a perícopa do Evangelho de S. Lucas e as suas relações com certas passagens do Antigo Testamento; expõe comentários e sermões dos Padres da Igreja; sintetiza um estudo sobre angelologia, completamente inédito entre nós, bem como apresenta diversas reflexões dos teólogos do Renascimento. Neste debruçar-se sobre as fontes foram, também, incluídos vários textos apócrifos do Antigo e do Novo Testamento, bem como escritos de importantes figuras da Igreja com destaque para S. Tomás de Aquino e S. Bernardo de Claraval. A finalidade desta primeira fase era esclarecer a variedade e complexidade dos elementos simbólicos presentes nas pinturas, permitindo, pois, uma análise iconográfica mais aprofundada.

Numa segunda etapa, é explicado o modo como se pretende utilizar o "Método Geométrico". Para tal efectua um estudo sobre a perspectiva linear, as suas origens e as respectivas leis internas, apresentando e analisando os tratados mais importantes do Renascimento relacionados com a perspectiva. É desenvolvido, de forma exaustiva, um estudo sobre os rectângulos, usados como «marco» das pinturas, e as regras geométricas que permitem definir, no seu interior, um conjunto variado de linhas de força e de espaços privilegiados, tal como eram entendidos na época em estudo. Assim, se garante o necessário rigor científico na aplicação das respectivas leis geométricas sobre as pinturas.
A utilização desta metodologia sobre as cerca de 50 pinturas portuguesas da Anunciação da primeira metade do século XVI, veio comprovar o conhecimento das leis da perspectiva por parte dos pintores bem como a tese da existência de um esquema geométrico de composição, em muitas pinturas analisadas, confirmando, portanto, a sua utilização como forma de proporcionar os diversos elementos pictóricos e reforçar a respectiva mensagem iconográfica.

Trata-se, pois, de uma obra de grande valor para a Historiografia da Arte Portuguesa não só pelo facto de analisar exaustivamente a iconografia da Anunciação, mas porque introduz, nesse estudo, a vertente geométrica, numa dimensão nunca antes ensaiada.

O Professor Luís Alberto Casimiro é natural de Vilar Formoso, Guarda, frequentou o curso de Engenharia Electrotécnica e de Computadores na FEUP, licenciou-se em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da UPorto. Actualmente é professor auxilar convidado da FLUP e regente das disciplinas de Iconografia, História da Pintura em Portugal, História da Arte e Cultura I e História Urbana.

O prémio será entregue pelo Secretário de Estado, Sua Eminência o Cardeal Tarcisio Bertone, durante uma sessão pública das Academias Pontifícias no dia 16 de Dezembro, pelas 17h, na Aula Magna do "Pontificio Consiglio della Cultura. 


 

Anunciação. Jorge Afonso (atr. 1520-1525)
Museu de Setúbal/ Convento de Jesus
Justificação Geométrica para a colocação e dimensão da auréola da Pomba do Espírito Santo 

 

in: http://sigarra.up.pt/flup/noticias_geral.ver_noticia?P_NR=3806

publicado por aroque às 00:35
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 12 de Setembro de 2008

Prémio monetário para melhores alunos divide opiniões

 Sara R. Oliveira| 2008-09-11

 

  O Ministério da Educação vai dar 500 euros aos melhores alunos do Secundário. "O que é 'ser o melhor 'na periferia socialmente deprimida de uma grande cidade?", questiona José António Gomes, professor de Literatura. "Prémios como este ajudam ao desenvolvimento da emulação", defende Carlos Fiolhais, professor de Física.

 
O melhor aluno de cada escola secundária do país que frequente os cursos científico-humanísticos e profissionais ou tecnológicos vai receber 500 euros. O prémio sai do bolso do Ministério da Educação (ME) que pretende assim "reconhecer e valorizar o mérito, a dedicação e o esforço no trabalho e desempenho escolares". O estudante recebe ainda um diploma assinado pelo presidente do conselho executivo ou director ou pelo director pedagógico no caso do ensino particular e cooperativo. O nome dos distinguidos é divulgado nas escolas, no site da direcção de educação da respectiva área e no portal da tutela. A entrega dos prémios do ano lectivo anterior está marcada para amanhã, 12 de Setembro.

As notas são arredondadas às décimas e a classificação à disciplina de Português pode servir para desempatar. Nos cursos científico-humanísticos, o prémio vai para o aluno que tenha a melhor classificação e, em caso de empate, os 500 euros vão para o que tenha obtido a melhor nota na disciplina trienal da formação específica, enquanto a classificação de Português funciona como segundo critério de desempate - o mesmo se passa nos cursos profissionais e tecnológicos. Nestes cursos, em caso de empate, o primeiro critério é a classificação obtida na prova de aptidão profissional ou tecnológica.

Carlos Fiolhais, professor de Física da Universidade de Coimbra, concorda com a medida. "No sistema de ensino português, há uniformidade a mais. O mérito não é, em geral, premiado e os melhores não são suficientemente distinguidos. Prémios como este ajudam ao desenvolvimento da emulação", defende. O docente recorda, no entanto, que a iniciativa não é original. "Uma associação ligada ao nome de um professor de Física de Lisboa já falecido, José Pinto Peixoto, com sede na aldeia da Guarda de onde ele é natural, Miuzela, entrega desde há alguns anos prémios aos melhores alunos do secundário de todo o país, havendo premiados que têm as notas máximas. Mas precisamos de mais prémios no sector da educação, tanto para alunos como para professores. Os melhores devem ser mais bem conhecidos!".

O prémio significa mais dedicação? "Todos os seres humanos precisam de estímulos. Mas claro que prémios como este não irão resolver como uma varinha mágica os problemas da escola, como o da falta de motivação e de empenho de muitos alunos. Há acções mais fundas e estruturais de melhoria da escola a fazer. O pequeno investimento nos prémios não devem esconder o grande investimento que é preciso em vários sectores, nomeadamente na melhor formação dos professores e no melhor apetrechamento das escolas - e não estou a falar da ilusão informática, mas de laboratórios decentes, ginásios, etc.", sublinha.

O prémio poderá mexer com a dinâmica das próprias escolas? "Pode ajudar um pouquinho". E alterar a estratégia? "Quanto à estratégia, que bom que era que houvesse uma estratégia escolar... O nosso sistema educativo tem andado infelizmente à deriva e o ME, ao longo de vários governos, não tem sabido pegar no leme". Mais observações. "Acho curioso que os sindicatos - os sindicatos que temos são pré-históricos - querendo atacar os governos, o façam a torto e a direito, como aliás lamentavelmente se faz na política partidária, e não consigam distinguir o que é melhor do que é pior, o que é desejável do que é indesejável". "Espero que tenham o bom senso de não se pronunciarem sobre esta questão dos prémios escolares, como se pronunciaram sobre a questão do prémio nacional para professores, uma boa iniciativa do Governo. Primeiro porque não é um assunto de natureza sindical e segundo porque os sindicatos, em geral, têm sido em grande parte corresponsáveis pela uniformidade nas escolas. Para eles não há melhores nem piores professores, como dizia um dirigente sindical haveria 'excelentes' e 'menos excelentes'...", acrescenta Fiolhais.

"Sinal de 'americanização'"
José António Gomes, autor de diversos livros para crianças e professor de Literatura na Escola Superior de Educação do Porto, não concorda com a atribuição do prémio. "Serão fiáveis os critérios com base nos quais são seleccionados os melhores? Duvido. E o que é 'ser o melhor'? É tão-só o que obtém melhores resultados no domínio cognitivo? Na avaliação contínua ou nos exames nacionais? O que é 'ser o melhor' na periferia socialmente deprimida de uma grande cidade? Ou no interior desertificado e pobre? Ou numa zona de classe média de uma grande cidade? Possuem todos as mesmas condições sociais, económicas e culturais para aceder a bons resultados? E, na definição dos melhores, em que medida são premiados o espírito crítico, o sentido da solidariedade, a aprendizagem de regras sociais, a capacidade de contribuir positivamente para um projecto colectivo?", questiona.

O docente duvida da "bondade da medida". "Desconfio, por princípio, deste tipo de 'motivações' que apenas encontram como prémio possível um valor monetário. A meu ver, é mais um sinal de 'americanização' e de promoção do individualismo e da competitividade (que, para mim, está longe de ser um valor) - embora ache que nenhum aluno vai pensar propriamente nisso durante o seu dia-a-dia escolar."

Mais dedicação? José António Gomes desconfia. "Ninguém vai andar a pensar nisso, durante as suas prestações. Este tipo de apoio não seria mais eficaz se investido no suporte a pequenos projectos que envolvessem os alunos? Por exemplo, uma intervenção comunitária, uma pesquisa de contornos científicos e/ou tecnológicos ou mesmo no campo da história local, a montagem de um espectáculo artístico, a criação de uma microestrutura empresarial geradora de receitas e enraizada na realidade cultural e económica em que a escola está inserida?". Na sua opinião, este assunto não é assim tão linear. "Duvido que a grande massa dos alunos experimente um sentimento de orgulho. Não se fomenta, ao invés, a inveja, o individualismo e, na massa, por ressentimento, um certo desdém por aquele que investe no saber?", pergunta.

E nada mudará. "Não é uma medida destas, avulsa e desgarrada, com mais de propagandístico e de mediático do que outra coisa (quantos serão os contemplados?), que tem o poder de alterar qualitativamente a dinâmica de uma escola ou a estratégia de ensino e aprendizagem. É porque fez contas e sabe que poucos serão os contemplados que o ME implementa uma medida deste tipo." O professor fala também como pai. "Tenho um filho que foi o melhor aluno de toda a sua faculdade durante a licenciatura; que, por isso, recebeu dois prémios monetários importantes e que ficou em primeiro lugar, na sua área científica, no concurso para atribuição de bolsas de doutoramento da Fundação de Ciência e Tecnologia. Na escola secundária, foi óptimo aluno, não era individualista, mas nunca foi 'o' melhor - logo, é duvidoso que estivesse em condições de receber um prémio como o que agora é promovido pelo ME. E, no entanto...".

Teresa Pinto de Almeida, professora de Inglês na Secundária Carolina Michäelis, no Porto, e distinguida com o Prémio de Mérito Carreira pelo ME, vê o prémio como uma "distinção significativa que valoriza o mérito e reconhece publicamente os melhores desempenhos em cada instituição escolar". "Em alguns casos essa verba poderá funcionar como uma motivação adicional e permitir ao premiado um investimento na sua formação específica durante as férias, quer no país quer no estrangeiro. É cada vez mais frequente assistir a este tipo de atitude formativa por parte dos jovens que finalizam o Ensino Secundário."

Um motivo de orgulho para todos? "Sem dúvida alguma. Serve de exemplo e estímulo para toda a comunidade educativa." A distinção poderá modificar a dinâmica e a estratégia escolares? "Por si só não me parece que possa ter esse impacto a nível da dinâmica de escola, mas poderá ser mais um reforço a acrescentar a outros no sentido de promover o sucesso escolar", responde.

http://www.educare.pt/educare/

publicado por aroque às 16:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
31


.posts recentes

. Natural de Vilar Formoso ...

. Prémio monetário para mel...

.arquivos

. Dezembro 2014

. Dezembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.links